7 Costumes Tradicionais da Índia que previnem Vírus, pelo jornalista Udaylal Pai


A luta (contra o Coronavírus) nem ao menos começou. Uma vez que os vírus também fazem parte de Brahman (Cosmos), nenhum Deus poderá salvá-lo de viroses, pois que o vírus também contém a divindade dentro dele. No entanto, você pode facilmente prevenir uma infecção viral? Como?

De acordo com as autênticas escrituras Védicas, existem três causas principais para doenças: 1. Annarasaja (doenças que vêm por meio da alimentação), 2. Dosham (os Tridoshas, de acordo com o Ayurveda, como bem sabido) e 3. Krimijanya (doenças de patógenos e micróbios).

Infecções virais fazem parte de Krimijanya. Krimi significa vermes, patógenos e micróbios. Existem dois tipos de krimis: (1) drishtah (aquele que você pode ver com os olhos ou equipamentos) e (2) adristah (aquele que você não pode ver mesmo com um microscópio comum). Estes últimos podem ser virtualmente latentes. O Ayurveda Clássico aborda sobre estes vermes e como preveni-los.

De acordo com a escrituras, adristah krimi pode causar doenças físicas e mentais. Um médico uma vez me disse: "Uday, vírus não podem criar doenças mentais". Mas na minha opinião, vírus podem afetar neurônios, de forma que os axônios liberem neurotransmissores que afetariam os pensamentos. Mas este é um outro assunto para discutir em outra oportunidade. A ciência provou que os vírus são responsáveis por criar muitas doenças no corpo humano.

Também nas escrituras, é mencionado que os vírus pertencem à categoria 'achethanam' (vida, mas sem consciência) ao passo que o ser humano pertence a 'chethanam' (vida, com consciência). De acordo com as escrituras hindus, tudo tem vida e a presença da divindade dentro de si (Isavasyam idam sarvam). Como aprendemos, os vírus são pequenos parasitas intracelulares, que por definição contêm um genoma de RNA ou DNA e é cercado por uma camada protetora de proteína. O vírus desenvolve 'chethana' no momento em que entra em contato com um corpo com 'chethana'.

Como humanos modernos, nós habitamos a Terra e a destruímos. De modo similar, um vírus entra em nosso corpo e o considera apenas um hospedeiro para habitar e reproduzir. Diferente dos humanos, ele não faz isso de forma consciente. Existem milhões de vírus dentro de seu corpo, vivendo de forma feliz e co-existindo. No entanto, o corpo reage a determinados tipos de vírus. Quando há uma reação agressiva do corpo humano a algum objeto externo isto cria um problema e caímos doentes.

Na seção XV do Mahabharata Santi Parva é dito: "Há muitas criaturas, tão pequenas, cuja existência só pode ser inferidas. Em apenas um piscar de olhos a existência delas já terminou".

Chhandogya Upanishad também aborda sobre o nascimento de pequenas criaturas que vivem por algumas horas e morrem. A vida delas é tão curta, de uma duração tão insignificante, que se pode pensar que elas nascem e depois morrem. Quando você as vê nascer, logo em seguida as vê morrer quase ao mesmo tempo. Tão curta é a vida destas criaturas.

O universo inteiro tem milhões de vírus. Você não pode destruí-los. Ele são muito mais poderosos que os seres humanos. Eles podem fazer uma mutação, ficar mais poderosos e atacar-nos novamente. Então, o único caminho é prevenir um ataque.

Como prevenir vírus?

Simples: seguir um estilo de vida bramânico. De acordo com os Upanishads, um Brahmana é aquele que pronuncia uma fala verdadeira, instrutiva e livre de rispidez, aquele que não ofende a ninguém. Um verdadeiro Brahmin dirá a verdade sem parcialidade. Um brahmana (homem ou mulher) não depende de linhagem, nascimento ou árvore familiar. Ele depende apenas de dois fatores, que são: Gyan (conhecimento) e Tyag (sacrifício), diz o Gita.

Brahmânico significa apenas um estilo de vida científico com o entendimento de que tudo é Brahman (Cosmos), existindo dentro e fora. Não existe nada a não ser Brahman. Brahman não diferencia entre humanos ou vírus, pois para Ele tudo é inclusivo. Brahman não destrói o vírus para salvar a vida humana. Então, neste contexto, orações podem não funcionar.

Os sábios da Índia Antiga desenvolveram um estilo de vida conectado ao Dharma de Brahman. Ele é chamado de Caminho dhármico (dharma = deveres, responsabilidade, direitos e privilégios, tudo junto).

1. Primeiramente: levantar-se no Brahma Muhurta (algumas pessoas chamam de Saraswati Yamam), ou seja, o período de 48 minutos antes do nascer do Sol. Após a sua rotina matutina diária, exponha-se ao Sol nascente e faça o Surya Namaskar, se possível. Nem é preciso explicar os benefícios da luz do Sol.

Ao menos faça tharpanam: oferecer sua gratidão ao Sol ou às deidades que você gosta. Se você não acredita em nenhuma deidade, apenas agradeça à energia solar. De acordo com as escrituras hindus, Surya é retratado como destruidor de Krimis (organismos patógenos).

2. Após banhar-se não toque em ninguém, nem deixe que outros toquem você. A comunidade hindu têm seguido esta recomendação por pelo menos 5000 anos. Alguns no planeta, em ignorância, deturparam a prática chamando-a de 'Intocabilidade'. A verdade é que ninguém tem o direito de tocar o seu corpo e você não tem o direito de fazer o mesmo aos outros. Isto é visto como discriminação supersticiosa, mas hoje em dia, sabemos da ciência por trás disto. Faça uma saudação a todos dizendo 'Namaste', com uma leve inclinação e as mão levemente pressionadas próximas ao peito.

3. Acenda uma lamparina. Após o banho, acenda uma lamparina em frente à sua deidade favorita. Se você for ateu apenas acenda uma lamparina, de preferência feita do material latão ou bronze. Se possível use manteiga ghee ao invés de óleo. Agni (fogo) por meio de seu intenso poder destrói microorganismos e outros agentes que causam danos ao corpo, de acordo com as escrituras.

Em rituais de Yagna (fogo) são utilizados ingredientes que, de modo similar, são capazes de matar vírus da atmosfera quando postos no fogo.

Sol e Agni (fogo) foram descritos como uma fonte interna de krimichikitsa (tratamento anti-microbiais).

No Ayruved isto é claramente descrito, no Aaasthavangani (cirurgia e outros oito tipos de tratamentos), Aswinikumar Samhita (Remédios), Brahatsanhitaa (tratamento de doença), Pushkal Samhita (causas de doenças) e Dhanwantari Sutra.

4. Coma apenas comidas sátvicas. O que são comidas sátvicas? Amplamente é dito que são os alimentos não-violentos. Evite partes de animais mortos, ou seja, tenha uma dieta vegetariana. (Lembre-se, qualquer espécie que se move está na categoria Chethana e aqueles que não podem se mover por si só na categoria Achethana).

Alimentos sátvicos não são apenas vegetarianos. São aqueles frescos e cozidos na hora (que devem ser consumidos em até quatro horas após preparados), frutas frescas e vegetais. Esta é a verdadeira comida bramânica. Quem segue este estilo de vida também não se alimenta após o pôr do sol.

5. Realize o ritual chamado chitrAhuti antes de se alimentar (aqueles que não tem interesse em rituais não precisam ir tão fundo). Ele consiste em salpicar água ao redor do prato de comida (ou da folha) antes de almoçar. Se você não é um devoto, a prática serve apenas para prevenir insetos e, principalmente, de formigas virem ao prato. Também deve-se beber uma quantidade pequena (suficiente para encher a boca) de água antes da refeição. Quem pratica o ritual acredita que “annam parabrahma swaroopam” (A comida é personificação de Deus). Então, se faz uma oração para o bem-estar de todos aqueles que nos provê alimentos (agricultores, fornecedores, etc).

6. É um costume indiano não deixar que os lábios toquem o copo ou garrafa ao se beber água ou chá. Para beber bebidas quentes como café, Chai, leite quente direto de um recipiente sem tocas os lábios, os sábios utilizavam materiais de cobre. Não se sabia o significado disto, mas sempre existiu as regras de evitar transferir patógenos presentes na boca de uma pessoa para outra. Estas regras incluem: não compartilhar pratos, comer pedaços da comida de outros. Hoje, sabemos que precisamos seguir estas regras "supersticiosas" estritamente para evitar doenças.

7. Em todas as residências hindus, até pouco tempo atrás, as pessoas mantinham grandes jarras cheias de água, ou uma torneira, na qual se deveria lavar pernas, mãos e rosto antes de entrar na casa. Era obrigatório. O Lar é um templo, é dito. Quando um convidado aparece, após lavar pernas e mãos, era recebido com uma guirlanda de folhas de Tulsi (Manjericão) e flores ao redor do pescoço. Existem inúmeras propriedades medicinais das folhas de manjericão.

Existem muitas outras práticas. Converse com um ancião hindu e ele lhe dirá por que é importante manter um estilo de vida de Brahmin. É possível entender plenamente se você olhar para toda profundidade da mais popular oração indiana chamada Shanti Mantralokah samastha sukhino bhavanthu (que significa, que o mundo todo seja feliz). nesta oração há algumas pré-condições.

O Sloka inteiro é:

Swasti prajabhya: paripalayantham nyayeana margena mahim maheesah gobrahmanebhya shubamsthu nityam lokah samastha sukhino bhavanthu Om santhi, santhi santhihi

Nele, se diz que apenas quando bovinos e brâhmanes estão em paz perpetuamente, então os seres de todo mundo estarão felizes. Diz-se também que os reis (políticos e líderes) devem ser dhármicos. Muitos recitam este mantra sem conhecer toda sua extensão.

No contexto deste verso, brahmins não é uma vocação hereditária como se entende hoje. É uma posição para ser conquistada por meio de suas ações (karma) como mencionado acima e pessoas do mundo inteiro deveriam viver como brahmanes.

Então, é muito simples. Viva como um brahmane evitando pré-conceitos de casta, religião, raça e credo. Vamos seguir o dharma védico que diz “Vasudhaiva Kutumbakam” ou seja, o Mundo Inteiro é uma Família. Vamos viver e compartilhar.

(Com base no Artigo Virus prevention in ancient Hindu scriptures)

- Imagem Inicial: fonte

banner-portal-vedico.png

Criado com wix template - Copyright © 2016 - 2020 Portal de Notícias e Estudos da Índia. Todos os Direitos Reservados